Sugestão do meu irmão começamos a assistir uma série chamada Call the Midwife no Netflix. A série descreve a vida de Jennifer Worth  um enfermeira de classe média que saiu do conforto e segurança para trabalhar junto com outras enfermeiras e um grupo de freiras atuando na Nonnatus House como parteiras para a população de baixa renda do East End na Londres dos anos 50.

A região de East End sempre foi históricamente uma área suburbana e desvalorizada de Londres, até no período medieval ficava fora do muro. Assim, era uma região pobre e, como se desgraça pouca fosse bobagem, sofreu duramente com os bombardeios alemães na segunda guerra mundial. Assim, o visual da região nessa época não parecia muito diferente de vários subúrbios pobres de cidades brasileiras atuais e os problemas de saúde pública também. Crianças demais, educação de menos e um esforço heróico das famílias em construir suas vidas apesar das dificuldades. Ainda assim é interessante por ver que existia uma estrutura de saúde pública preventiva e não centrada em hospitais, na verdade a idéia era aliviar a pressão sobre estes. Médicos só eram chamados quando estritamente necessário. Um exemplo interessante de boa aplicação em uma situação de recursos limitados.

Não é uma série bonitinha com os climax e viradas típicos das séries de hollywood, mas a descrição de uma vida difícil num lugar nada fácil, mas que tem seus bons momentos. Como a mãe de 24 filhos que se nega a deixar que levem seu filho prematuro para o hospital e demonstra ter algumas coisas para ensinar para os médicos e enfermeiras. Uma história tão surpreendente que provavelmente foi real, como ficção soaria inverossímil. 😉 Esqueça as salas brancas e mega-equipadas , as fofocas e pegação de outros seriados médicos. Aqui os tons são mais escuros e não tão assépticos.

Também é uma descrição interessante do sistema nacional de saúde britânico em seus primórdios e na ponta do sistema, o sistema é uma das inspirações do nosso SUS.  E é o tipo de história que te faz ficar feliz por ter a vida que tem e também mostra a importância que o trabalho assistencial pode ter na vida das pessoas. Mesmo que não resolva os problemas maiores ao menos torna a vida dos outros melhor e amadurece em muito quem o faz.

Anúncios