Meu networking de últimos tempos anda rendendo frutos, principalmente porque arranjar material para o tema da conferência estava custoso. É o preço de procurar assuntos mais recentes . Além de uma indicação de mega-megastore para comprar livros no natal ainda li uma ótima notícia no twitter Video games take bigger role in education.

Assim como no caso das tecnologias de informação e comunicação em geral, também há uma renca de autores falando sobre o potencial de videogames para a educação. Ainda que já existam bons livros e pesquisa sobre o assunto, e boas resenhas também, há um abismo entre designers de jogo e educadores que deve ser vencido para que esse potencial se realize. De um lado há quem diga que os jogos não ensinam nada que preste, do outro também há quem diga que os educadores são ótimos para deixar os jogos didáticos como a sala de aula. E tão chatos quanto.

O interessante dessa matéria é comentar experiências que parecem ter feito a ponte sobre o abismo. O jogo immune attack que simula a defesa de um organismo contra a invasão de vírus e bacterias parece ser eficiente para desenvolver uma noção intuitiva sobre a mecânica molecular nos usuários. Por exemplo, a arma do jogador é carregada por proteínas específicas dentro das próprias veias. Outro game é baseado num museu virtual e chama-se “Discover Babylon” e serve para mostrar a influência e importância da cultura mesopotâmica.

Torço para que essas iniciativas consigam prender a atenção do usuário e motivá-lo a estudar. Mas acho que seria interessante observar se estes jogos produzem uma mudança de comportamento observável e mensurável para convencer os mais céticos acerca das possibilidades dos jogos. Ainda assim acho que eles dificilmente ensinarão sozinhos, mas podem se tornar um bom motivador. Sempre achei que jogos como Call of Duty ou Civilization poderiam ser um bom atrativo para o estudo de história. Inclusive há trabalhos interessantes como um mod (versão modificada) de jogos como o Educational Civilization 3 e o Rome Total War – realism que dão uma idéia mais próxima da realidade histórica dos temas destes jogos.

E por fim, o terceiro projeto que será lançado como protótipo em janeiro teve o apoio da Nasa, pelo que entendi poderá ser um World of Warcraft do jogos educativos.No qual os jogadores atuando em equipe se envolverão com problemas de matemática, ciências engenharia e tecnologia no cenário dos futuros 30 anos de desenvolvimento da Nasa para a viagem até marte. Quem sabe um jogo como esse se torne o Cosmos da próxima geração. E quem sabe um mundo virtual com um claro resultado educativo.

Anúncios